Para se fazer um bom negócio ao adquirir um imóvel, os valores e condições de pagamento sempre devem constar entre as principais preocupações do compradorNessa hora, uma das dúvidas mais comuns é: financiamento ou consórcio? Qual é a melhor opção?

Entender quais são as diferenças entre essas modalidades e as vantagens de cada uma delas pode ser muito importante na hora de tomar a melhor decisão, considerando também os seus desejos, necessidades e condições de sua família.

Por isso, hoje vamos entrar a fundo nessa discussão. A seguir, vamos explorar o que são os consórcios, quais são as diferenças entre consórcio e financiamento e quais são as vantagens dessa modalidade! Confira!

Como funciona um consórcio?

O consórcio é uma modalidade de aquisição de bens e serviços de forma coletiva em um prazo pré-determinado.

Pessoas físicas ou jurídicas com interesse em comum na aquisição de um bem ou serviço podem se juntar sob a regulação de uma administradora para autofinanciar coletivamente os bens para todos os participantes.

Basicamente, o consórcio funciona da seguinte forma: os cotistas, ou consorciados, pagam as mensalidades que, quando somadas, são o suficiente para adquirir o bem para um deles.

Assim, todo mês, é realizado um sorteio e alguém é contemplado com uma carta de crédito para adquirir o bem ou serviço desejado. Logo, ao final do período de pagamento determinado no contrato, todos os consorciados terão sido contemplados.

Para aqueles que não têm urgência na aquisição desse bem, integrar um grupo de consorciados é uma alternativa que apresenta diversas vantagens frente ao financiamento, como veremos mais adiante.

Vale lembrar que, em certos consórcios, dependendo das regras contratuais, é possível antecipar a contemplação realizando lances.

Para isso, o consorciado deve ofertar um percentual do montante necessário para a compra do bem. E, caso o grupo tenha fundos suficientes para a compra, pode ser concedida a carta de crédito.

Existem três tipos de lance:

  1. Lance livre: é a oferta realizada com o dinheiro do próprio consorciado, que tem a liberdade de escolher quanto deseja ofertar;
  2. Lance embutido: é a oferta de lance utilizando um percentual da própria carta de crédito, ou seja, é o lance sem, de fato, ter o dinheiro em mãos;
  3. Lance Fixo: corresponde a um percentual definido de acordo com as regras do grupo, que pode ser de 50% e/ou 25%.

Quais são as diferenças entre financiamento e consórcio?

A grande diferença entre financiamento e consórcio é a forma de pagamento. Normalmente, os financiamentos dos bancos que costumam cobrar cerca de 20% do valor do bem de entrada.

Além disso, nesses casos, taxas de juros incidem sobre as parcelas, baseadas nas tabelas SAC ou Price, que determinam as dinâmicas das taxas de juros e amortização.

Nos financiamentos, ainda pode ser cobrada taxa relativa ao seguro que garante o pagamento das parcelas.

Já nos sistemas de consórcios, o consorciado paga somente as mensalidades determinadas pela administradora no contrato. Essas mensalidades incluem as taxas de administração, o fundo comum (que é criado para gerir a poupança destinada para a aquisição dos bens), o fundo de reserva (proteção para garantir o funcionamento do grupo) e, em alguns casos, o seguro.

Financiamento ou consórcio? O que é melhor?

Sem dúvidas, a melhor forma de comprar imóveis é o pagamento à vista. No entanto, como sabemos, essa não é uma possibilidade para a maioria das pessoas.

Entre as demais formas de aquisição, podemos considerar o consórcio a melhor opção, muito devido aos valores praticados.

Principalmente pela não incidência de juros, as mensalidades de um consórcio podem chegar a ser 10 vezes mais baratas que as parcelas de um financiamento.

Em certas ocasiões, o valor total pago no consórcio pode ser até metade do que seria pago em um financiamento bancário. Portanto, podemos dizer que o consórcio é uma forma de economizar.

Se você ainda não está convencido, vamos lembrar de mais algumas das vantagens dos consórcios frente aos financiamentos:

1. Entrada

A grande maioria dos financiamentos será exigido aproximadamente 20% do valor do bem de entrada. Essa, porém, não é uma exigência dos consórcios, sendo uma grande vantagem para quem não tem dinheiro guardado.

2. Juros

Como mencionamos, nas mensalidades dos consórcios, não são cobrados juros. Além disso, as taxas de administração costumam ser inferiores às cobradas pelos bancos. Isso contribui para o alcance de um saldo positivo na conta ao final do investimento.

3. Lances

É possível antecipar a contemplação utilizando os lances. Dessa forma, nem sempre será necessário esperar a contemplação por meio dos sorteios.

4. Aprovação de crédito

Para conseguir um financiamento com qualquer banco, é preciso estar com sua situação cadastral e de crédito regular. Ou seja, não é possível pedir financiamentos com o nome sujo.

No caso dos consórcios, a situação do consorciado só é analisada quando ele é contemplado pela carta de crédito. Assim, é possível começar a pagar as mensalidades e ter tempo para regularizar sua situação.

Na Embracon – administradora oficial dos consórcios Renault, Nissan e Peugeot – por exemplo, é realizado uma análise de perfil do consorciado, de modo a se verificar a condição de crédito positivo do consorciado antes da adesão.

5. FGTS

Para consórcio de imóvel, é possível utilizar o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para realizar lances ou quitar parcelas do consórcio, o que pode ser uma ótima alternativa para antecipar a contemplação.

6. Desistência

Em muitos casos, é possível vender ou transferir a cota de consorciado para terceiros. Essa flexibilidade pode ser muito vantajosa, principalmente para as pessoas que desejam ingressar em um grupo já em andamento, como no caso das pessoas que precisam desistir por não conseguir arcar com as mensalidades.

Como escolher uma administradora de consórcios?

Ao escolher uma administradora, deve-se tomar alguns cuidados para evitar surpresas desagradáveis, como fraudes e golpes.

É fundamental verificar se a administradora em questão é regulada por meio do site do Banco Central. Para operar com consórcios, todas as administradoras devem ter autorização. Além de, claro, cumprir com as normas de regulação da organização.

Na hora de fazer uma escolha, lembre-se de verificar as regras de funcionamento e as normas contratuais em questão. Alguns fatores como quantidade de grupos disponíveis, planos e prazos para pagamento também requerem atenção especial e devem ser analisados.

Se você ainda está na dúvida entre financiamento ou consórcio, que tal entrar em contato com uma administradora experiente?

A Embracon oferece todo o suporte necessário para garantir que o consórcio seja um bom negócio para você! Além disso, você poderá contar com a ajuda de uma consultoria imobiliária. Ela ajudará em todos os trâmites dos processos de pagamento. Entre em contato, tire suas dúvidas e garanta o seu imóvel!

Escreva um comentário